Sr. Rocha da Internet @ 14:01

Sab, 31/07/10

Agora são os assistentes do Fripór Glaimour en horabuena que querem a reabertura do processo. Agora, que estamos nas férias judiciais. E o juiz vai deixar, claro. Para arreliar o Glaimour Man. Querem atacá-lo política e profissionalmente. Querem arrumar com o Homem, o único político em Portugal que podia ser campeão do mundo. Mas nós, os portugueses de boa-fé, não vamos deixar. Tu estás inocente!

 




Sr. Rocha da Internet @ 15:57

Sex, 16/07/10

Ora, isto tudo para dizer que Pedro Silva Pereira e João Tiago Silveira já devem estar a par disto e em princípio vai haver gente que não está para lhes andar a limpar o cu por menos dinheiro. Cães, mas com dignidade salarial. Portanto, é provável que o Miguel Abrantes deixe de ser 4 para passar a ser apenas 2. Vão cortar em alguns temas, nada de especial.




Sr. Rocha da Internet @ 19:27

Seg, 28/06/10

 

 

 

Eduardo Pitta, a Clarice Lispector portuguesa, está ali no seu blog Da Literatura - um blog que era para ser sobre a mariquice dos livros mas que passou a ser sobre o sectarismo acéfalo e também ele mariquinhas - a falar não sei bem de quê (sabe-se lá o que vai na cabecinha da Clarice). A única parte que me pareceu perceptível foi aquela que o Pitta (com todo o respeito, por amor de Deus!) fala em radicais de direita.

Ora, o Pitta (com todo o respeito, por amor de Deus) passa muito tempo a ler poesia e depois fica com a mente tão perfumada que fica sem capacidade de discernimento. Ou se calhar é mesmo burrice. Ó Pitta (com todo o respeito, por amor de Deus), onde é que estão os radicais de direita em Portugal? Isso a solução era sair de casa e pisar merda fresca a ver se se preocupa com outras coisas. Sei lá, com o facto do Primeiro-ministro ser um imbecil, por exemplo.

 




Sr. Rocha da Internet @ 19:28

Ter, 18/05/10

Sua Santidade, o Primeiro-ministro, disse numa merda qualquer no estrangeiro que era o dono da política económica do país. Pronto, ficámos todos esclarecidos sobre o socialismo do nosso Sócrates. Se é ele que manda então não existe economia privada, pelo que todas as consequências económicas, incluindo falências e insolvências, são da sua responsabilidade. Que alívio, não é?

Um bocadinho mais à frente, Sua Majestade, o Sócrates, disse que a esquerda sabia governar com responsabilidade e só quem é de direita é que acha o contrário. Foda-se, a sério? Eu a julgar que eram as pessoas de esquerda que achavam que as pessoas de esquerda não governavam com responsabilidade.





custodioserodio @ 00:24

Sex, 23/04/10

Francisco Assis elogiou Carlos Costa, o novo chairman do Banco do Portugal. Estou mais descansado.





Sr. Rocha da Internet @ 13:28

Qua, 10/02/10

Acabo de ouvir José Sócrates dizer que formalmente o governo não sabia do negócio da PT com a Media Capital. O país descobre agora uma condição sine qua non para condenar a aldrabice: a formalidade.

 

O governo podia até criar a sua própria casual friday - o dia em que formalizava a informalidade e onde podiam ser cometidas as maiores atrocidades já que era tudo informal.




Sr. Rocha da Internet @ 14:11

Ter, 09/02/10

Se uma árvore cair na floresta, sem que ninguém esteja lá a assistir, faz barulho?




Sr. Rocha da Internet @ 13:37

Ter, 09/02/10

Caros directores da unidade de queimados,

 

Gostaria de vir por este meio pedir a vossas excelências que reforçassem a unidade de queimados pois parece que na última semana anda muita gente a meter as mãos no fogo por terceiros.

As queimaduras devem ser graves porque a inconsciência do acto é grande. Agradecia também que reforçassem o apoio psicológico já que há aqui muita gente que não vai aguentar o choque e outra tanta que será, muito provavelmente, vítima do Síndrome de Estocolmo.




Sr. Rocha da Internet @ 19:38

Sab, 06/02/10

 

Em Portugal há homens que, tal como Jack Bauer, resistem contra a trafulhice.




Sr. Rocha da Internet @ 15:11

Sex, 15/01/10

Diz que o ministro das obras públicas - pessoa de quem ainda não tive tempo para decorar o nome e que como tal julgarei sempre que se chama Severiano Teixeira, que foi o único nome de ministro que decorei para este propósito - declarou que o TGV tornaria Lisboa na praia de Madrid.

Ora, eu não percebo nada de obras públicas, mas quer-me parecer que Lisboa de praia tem pouco. Nem é por ter um rio, é mais por causa do contrato de quarenta e tal anos que a Câmara de Lisboa assinou com a carga pronta e metida nos contentores. Nem quero parecer desmoralizador, mas se é de turismo que Lisboa precisa, então se calhar o melhor era começar por varrer o lixo, não vão as visitas estranhar aquele aroma nuclear da Costa da Caparica.

Ainda assim, e tendo em conta que se podem aproveitar as praias da linha potenciando um arrastão à séria, o que era óptimo para a economia paralela, o facto do TGV e o Aeroporto ficarem um bocadinho à desamão, fazia com que um gajo que saísse de Madrid para vir tomar uma banhoca à foz do Tejo ainda perdesse umas boas 2 horas no trânsito.

Onde é que eu quero chegar com isto? É simples, parece-me que mais do que uma questão de honra ou orgulho isto é - como dizer sem ferir susceptibilidades? - estúpido. No fundo, tal como eu, a grande parte das pessoas que respira em Portugal não sabe o nome do senhor e isto foi tudo um golpe para chamar à atenção.

Aposto que há uma gaveta no gabinete do Primeiro-ministro com "as frases mais loucas para os ministros das obras públicas com um passado no obscurantismo estalinista".





Sr. Rocha da Internet @ 17:01

Dom, 20/12/09

 

Estão sempre a cascar no bloco central, mas a verdade é que tanto o PS como PSD escolhem os seus melhores para resolver os problemas da nação. Especialistas.

Primeiro apareceu António Preto, com base em toda a sua experiência, a sugerir medidas de fiscalização contra a corrupção. Agora sabemos que também Ricardo Rodrigues é um especialista nesta matéria.

Não temos de nos preocupar. Estamos na mão de gente que sabe da poda.

 

 




Sr. Rocha da Internet @ 13:13

Qua, 02/12/09

 

 

E pronto, meus senhores, é este o tipo de desculpas que a partir de agora os nossos governantes podem dar. Vieira da Silva abriu, hoje, um precedente interessantíssimo: o da indignação do cidadão comum que, por mero acaso da vida, calha de ser ministro. Até porque, segundo a lógica do ministro, se a jornalista não lhe tivesse feito a pergunta ele não lhe teria respondido. Ora pois claro! Que vício que estes jornalistas têm de fazer perguntas às pessoas.



Whatever happened to the bright ones
Twitter
Posts mais comentados
Pesquisar
 
Tags

todas as tags