Sr. Rocha da Internet @ 14:03

Qua, 24/03/10

Depois de Eusébio, Amália, Diamantino Viseu, Luís Miguel Militão Guerreiro, António Guterres e Abel Xavier, chega agora a vez de Vitor Constâncio ir lá para fora triunfar e mostrar as virtudes da portuguesidade. Daqui por uns tempos podermos todos dizer "o nosso Vitor Constâncio" com aquele orgulho de quem ama a pátria em fibra óptica. Aqui está ele no seu estilo modern conservative:

 

 

Mas o que mais me preocupa a mim é que o nosso Vitor Constâncio foi logo atacado por uma daquelas pessoas que por mera infelicidade cósmica nasceu e representa um daqueles países que perde sempre oito a zero com a nossa selecção. Então mas qual é o problema de se falhar em toda a linha na supervisão de bancos portugueses se o que se vai fazer é desemprenhar um cargo de supervisão de bancos europeus? Não percebo. Estas pessoas não são nada modernas e depois enervam quem é. Daí ele até estar verde nesta fotografia que tive o cuidado de roubar ao jornal I, pelo qual tenho, aliás, imensa estima sexual:

 


 

Ainda no mesmo dia, no mesmo local e no mesmo jornal, o nosso Vitor Constâncio, que tão bem desempenhou as suas funções como podemos constatar, vem dizer que não há qualquer perigo de recessão. Também não havia qualquer perigo do Rendeiro e o Oliveira Costa armarem a puta (linguagem moderna) e depois viu-se. O que vale é que, como conhecemos todos muito bem o nooso Vitor Constâncio, encaramos isto como psicologia invertida (moderno). Ele só está a fazê-lo para ver se estamos todos atentos. É um brincalhão e é moderno.

 

 

Por falar nisso, parece que coiso. Não havia muitas dúvidas, não é verdade...

 



Whatever happened to the bright ones
Twitter
posts recentes

a diáspora e o sucesso

Posts mais comentados
Pesquisar
 
Tags

todas as tags